«Só queríamos sair de Alvalade e Ferguson estava a contratar Ronaldo»

«Só queríamos sair de Alvalade e Ferguson estava a contratar Ronaldo»

Nicky Butt foi um dos jogadores do Manchester United que assistiram de perto ao enredo da transferência de Cristiano Ronaldo do Sporting para o Manchester United logo após a noite soberba do português na inauguração do Estádio José Alvalade no início de agosto de 2003.

Dezoito anos depois, o ex-jogador dos Red Devils ainda tem toda a história bem fresca na memória e recordou-a em declarações à casa de apostas Ladbrokes. «Saímos do avião vindos de Chicago, comemos qualquer coisa e estávamos todos completamente exaustos. Fomos para o o campo e aquele miúdo era simplesmente eletrizante. Ficámos todos a olhar para ele e a pensar ‘wow’», disse a propósito do jovem Cristiano, de 18 anos.

O Sporting venceu esse jogo por 3-1, com um bis de João Vieira Pinto e um golo de Luís Filipe. Ronaldo ficou em branco, mas deslumbrou tudo e todos. Incluindo Sir Alex Ferguson e o CEO dos ingleses, que resolveram fechar, nessa mesma noite, a contratação de Ronaldo.

«Fartámo-nos e arranjar desculpas depois do jogo. Estávamos cansados, o jogo tinha sido horrível e depois ficámos ali três horas à espera. Estávamos a ficar irritados, porque só queríamos ir embora, mas o treinador e o David Gill estavam lá no estádio a tratar da contratação do Cristiano Ronaldo», recordou.

Doze dias depois daquela noite dura para os jogadores do Manchester United no Estádio José Alvalade, Cristiano Ronaldo estreou-se pela nova equipa numa receção ao Bolton: entrou aos 61 minutos para o lugar de… Nicky Butt.

Foi o nascimento da lenda, mas nessa altura Butt não previa que Ronaldo fosse tornar-se num dos maiores jogadores de sempre. «Era jovem, alto, mas magrinho. Um miúdo impecável, com muito ritmo, muita técnica e muita determinação. Se o derrubasses no treino, ele levantava-se, pegava na bola e ia para cima de ti uma e outra vez. [Mas] Honestamente, não esperávamos que ele chegasse nem perto do nível a que está hoje. Na segunda época começámos a perceber as coisas. Ele começou a passar muito mais tempo no campo e no ginásio. Foi como se ele se tivesse apercebido quais os pontos em que ele precisava de crescer para melhorar o seu jogo. Ele ficava lá fora, batia livres atrás de livres e ficava a trabalhar em todos os pequenos detalhes que lhe permitiriam vir a ser o jogador que é hoje. Sei que as pessoas vão pensar que eu estou a exagerar, mas isso era um facto: juro que ele era absolutamente obcecado. Passava todo o tempo que conseguia no ginásio para ficar maior e mais forte», rematou sobre o agora veterano Cristiano Ronaldo que está, aos 36 anos, de volta ao Manchester United.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 8 =