´Sem justificativa esportiva´ – CONMEBOL anula planos de Wenger para a Copa do Mundo da FIFA

´Sem justificativa esportiva´ – CONMEBOL anula planos de Wenger para a Copa do Mundo da FIFA

As nações sul-americanas se opõem firmemente à realização da Copa do Mundo pela FIFA a cada dois anos, disse a CONMEBOL na sexta-feira, alertando que tal mudança “pode distorcer a competição de futebol mais importante do planeta”. A confederação indicou que foi errado defender uma mudança do formato atual, depois que seu presidente Alejandro Dominguez pressionou em 2018 para que o órgão regulador mundial considerasse a realização do torneio global com mais frequência. Arsene Wenger é a figura de proa em um movimento para transformar o calendário do jogo, com o chefe de desenvolvimento do futebol global da FIFA buscando apoio influente, mas também encontrando séria oposição ao projeto. As principais ligas da Europa disseram que são “firme e unânime” contra os planos, enquanto a UEFA expressou veementemente sua oposição e alertou sobre um possível boicote à Copa do Mundo se os planos forem aprovados, com seu presidente Aleksander Ceferin dizendo Europa e Sul As federações nacionais americanas estavam “na mesma página”. Esse ponto agora foi sublinhado por uma retirada da CONMEBOL dos planos da FIFA que conclui que seria “altamente inviável” e que não havia “justificativa esportiva” para mudar a Copa do Mundo de seu status atual como um torneio que é realizado a cada quatro anos. A CONMEBOL disse que consultou autoridades do futebol sul-americano antes de dar o veredicto. Ele afirmava: “Uma Copa do Mundo a cada dois anos pode distorcer a competição de futebol mais importante do planeta, diminuindo sua qualidade e minando seu caráter exclusivo e seus atuais padrões exigentes. “A Copa do Mundo é um evento que atrai a atenção e a expectativa de bilhões de pessoas porque representa o culminar de um processo de eliminação que dura quatro anos inteiros e tem dinâmica e apelo próprios. “Uma Copa do Mundo a cada dois anos representaria uma sobrecarga praticamente impossível de administrar no calendário de competições internacionais. Nas condições atuais, já é complexo harmonizar horários, horários, logística, preparação adequada de equipamentos e compromissos. A situação seria extremamente difícil com a mudança proposta. Pode até colocar em risco a qualidade de outros torneios, tanto de clubes como nacionais. “A ideia da Copa do Mundo é reunir os jogadores de futebol mais talentosos, os treinadores mais destacados e os árbitros mais treinados para determinar em uma competição justa qual é o melhor time do planeta. Isso não pode ser alcançado sem uma preparação adequada, sem equipes desenvolvendo suas habilidades e técnicos desenhando e implementando estratégias. Tudo isso se traduz em tempo, treinamentos, planejamentos, jogos. “A CONMEBOL defende a busca pela excelência no campo do jogo e está comprometida com eventos cada vez mais competitivos e da mais alta qualidade. Não há justificativa esportiva para encurtar o intervalo entre as Copas do Mundo ”. A confederação sul-americana disse que para qualquer mudança importante deve haver “um debate franco, no qual todas as opiniões e critérios sejam considerados”. A proposta da FIFA é que as Copas do Mundo masculina e feminina ocorram a cada dois anos, junto com as pausas internacionais para os jogos classificatórios durante as temporadas nacionais, sendo em menor número, mas com maior duração. Os pesos-pesados ​​da Copa do Mundo, Brasil e Argentina, podem estar entre as nações sul-americanas preocupadas com o músculo financeiro do futebol europeu, e a CONMEBOL não está fechando suas portas para discussões com a FIFA sobre o desenvolvimento do jogo. Acrescentou que sempre esteve “aberto ao diálogo que busca o melhor para o futebol”, mas sua oposição à proposta da Copa do Mundo parece inflexível, dados os termos francos em que foi entregue. Tendo feito uma volta em U, um segundo apontaria para incompetência. O resultado do desenvolvimento de sexta-feira é que a FIFA está enfrentando forte oposição das duas federações continentais que forneceram todas as seleções masculinas vencedoras da Copa do Mundo. “Embora em algum momento a CONMEBOL tenha apoiado o projeto em questão, a técnica mostrou que é altamente inviável ”, acrescentou o comunicado da CONMEBOL. “Por isso, nas actuais condições, ratifica o seu apoio ao modelo actual do Mundial, com os seus termos e mecanismos de classificação, considerando-o coerente com o espírito que animou aqueles que idealizaram e fundaram esta competição.”