Euro 2020: Suécia-Ucrânia, 1-2 a.p (crónica)

Euro 2020: Suécia-Ucrânia, 1-2 a.p (crónica)

Dovbyk. Artem Dovbyk.

Esta é a história de um herói altamente improvável, que reforça a melhor campanha da Ucrânia num Europeu.

Chegou ao topo do futebol ucraniano sem passar pelo Dínamo Kiev ou Shakhtar Donetsk. Provavelmente não estaria no Euro 2020 sem a lesão de Júnior Moraes. Tem só três internacionalizações e 68 minutos pela seleção.

Mas isso bastou para o avançado de 24 anos ser o herói no apuramento para os quartos de final: um golo na compensação… do prolongamento (120+1m) permitiu à seleção de Andriy Shevchenko derrotar a Suécia por 2-1.

Caem os nórdicos, que tiveram em dois remates aos ferros e na expulsão de Danielson a espada tridente para tirar de cena a seleção das «Três Coroas». A qualidade de Emil Forsberg e de todo o meio-campo sueco não chegou. O conto de fadas da Ucrânia continua.

Um conto de fadas de um passageiro que agarra tudo à última: tirou o último bilhete para os «quartos» à última hora, tal como agarrou o último lugar dos quatro melhores terceiros classificados. E tal como Dovbyk chegou a este Euro 2020 quase sem contar.

Depois de uma segunda-feira emocionante, com o Croácia-Espanha e um França-Suíça, os ‘oitavos’ acabam com mais um capítulo que mostra que o futebol é um livro aberto.

Agora, há para escrever a história de uma Ucrânia que iguala um feito só comparável no seu futebol à chegada aos quartos de final do Mundial 2006, onde tinha o seu atual selecionador… como avançado e principal referência.

Esta noite, no Hampden Park, Zinchenko começou por ser a figura maior. E acabou como tal: depois de marcar, assistiu.

Suécia-Ucrânia: todo o filme do jogo

O nulo foi desfeito ao minuto 28, um pouco contra a corrente, pois a Suécia estava mais sólida coletivamente: após um grande passe vertical de Shaparenko para Karavaev, este serviu Yaremchuk, que fez da sua indecisão um passe certeiro para o decidido Zinchenko atirar com tudo para bater Olsen.

Depois… outra figura deste Euro 2020, que em nada merecia uma eliminação tão cruel: Emil Forsberg respondeu em cima do intervalo (43m) e fez o 1-1 com que terminaria o tempo regulamentar… e quase o prolongamento. Ficou com quatro golos na prova e também não é ele a destronar Cristiano Ronaldo. Resta dizer que também teve alguma sorte: a bola desviou em Zabarnyi e traiu Bushchan, guardião que se serviu depois dos ferros, na segunda parte, para a Ucrânia manter-se em jogo.

Sim. Os ferros que Forsberg viu negarem-lhe o bis por duas vezes, uma delas daria um dos golos deste Euro 2020 (69m). Pelo meio, Bushchan também se mostrou a Kulusevski, na melhor defesa do jogo (66m).

O 1-1 teimou e tudo foi para horas extra, onde a Suécia teve duplo castigo tremendo: Danielson foi imprudente, viu o vermelho após recurso ao vídeo-árbitro (98m) e também atirou Besedin para fora de cena: o avançado que entrara para o prolongamento, durou sete minutos em campo.

Mas havia outro avançado no plano de Shevchenko: Dovbyk entrou para a segunda parte do prolongamento e desbloqueou tudo quando já cheirava a penáltis. Um golpe fatal de cabeça, após um grande cruzamento de Zinchenko, castigou uma Suécia solidária na inferioridade e premiou uma Ucrânia que poucos riscos assumiu com mais um, mas que apanhou a carruagem rumo ao encontro com Inglaterra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

19 − 2 =